sexta-feira, setembro 28, 2012

Lábios de cinábrio




Lábios de cinábrio, 
Lábios entreabertos,
Olhos fechados,
Por um eterno instante,
Ela aguarda o meu beijo.
Perco-me!
Por caminhos conhecidos,
Sentindo o seu respirar junto ao meu.
Seus lábios, infinitamente perto,
Apenas aguardam os meus.

Este instante,
Eterno e fugaz, 
Me põe na ponta dos pés,
Ante abismo insondável.

Sei que beijo ardente virá,
O prelúdio de uma noite
De intensa volúpia!
Mas o estar suspenso agora,
Paralizado por desejo intenso,
Me fascina mais que mil noites
De delirantes prazeres.

Alvaro 2005
Postar um comentário