segunda-feira, março 04, 2013

Noite de autógrafos virtuais

Um amigo meu, o Bruno Cobbi, que eu não via há muito, me mandou um e-mail me convidando para o coquetel de lançamento de seu livro. 

No convite apenas o endereço de um site, mas não do local. Resolvi telefonar. 


– Bruno, aqui é seu amigo Álvaro. 

– Álvaro? Diga qual o seu twitter, pra eu saber de qual Álvaro se trata. 

– Deixa disso Bruno. A gente se conheceu nos eventos de FC & Fantasia e depois participamos dos encontros dos Escritores de Quinta. Sou o Pai Nerd! 

– Tá, já sei quem é. O que manda?


 – Você me mandou um convite por e-mail, pra a noite de autógrafos de seu livro, só que não mandou o endereço… 

– Ah! Por que não perguntou por e-mail? 

– Porque eu lá sei eu se você abre sua caixa postal todo dia… Diz aí onde é… 

– Conservador! O mundo agora é todo virtual! Se prestar bem atenção, tem o endereço sim, no final da mensagem. 

– Lá só há um endereço eletrônico, de um site. 

– Pois é este mesmo. É um bar virtual. Será aberta uma sala de vídeo-conferência. 

– O quê?!?! Mas é uma noite de autógrafos… Como você vai autografar os exemplares de seu livro? 

– O livro é virtual. O pessoal vai baixar o livro e eu faço uma marca digital, única e irremovível, no arquivo. 

– Tá, mas é o canapé e o vinho branco? Isso não pode faltar… 

– Ao entrar no nosso site, você recebe em sua máquina um número e uma senha. Você escolhe um link de um buffet conveniado com a editora, perto da sua casa, e eles te entregam, em até quinze minutos, vinte salgadinhos e uma garrafa de vinho branco… 

– Mas isso não vai ter a menor graça! Quero apertar sua mão, lembrar os velhos tempos, e tudo mais. 

– Na hora da vídeo-conferência, o meu webdesigner faz uma montagem do aperto de mão… 

– Continuo achando muito estranho… 

– Seja menos retrógrado rapaz… 


Continuamos nossa conversa por um ou dois minutos  e, devido a insistência do meu amigo fui à sala de chat no dia e hora marcados. Baixei seu livro autografado, pagando-o on line com meu cartão de crédito. O livro era bom, os canapés razoáveis, mas o evento foi chatíssimo. 

Alguns meses depois, recebi outro convite, desta vez pelo correio. Era uma noite de autógrafos do mesmo livro, em papel. 

Telefonei pra meu amigo: 

– Aqui é o Álvaro! Recebi seu convite, e estou ligando pra confirmar minha presença…. 

– Que bom! Creio que será um sucesso. Alguns colegas nossos dos Escritores de Quinta irão… 

– Creio que será muito bom. Mas não resisto a fazer uma pergunta. Por que lançar o livro em papel, num evento mais tradicional? 

– É que o outro editor me pagou com dinheiro virtual. E eu não consegui comprar nada real com ele…



publicado originalmente no Escritores de Quinta, 
homenageando um dos organizadores, Bruno Cobbi
Postar um comentário